Breve resenha histórica da RCM

Os primeiros emissores da Rádio Clube de Monsanto (1985)

“Era uma vez...” é assim que principiam quase todas as histórias. Porém a história da RCM começa um pouco diferente. Na sua origem estão muita motivação e uma grande vontade e um enorme desejo de concretização de um projecto radiofónico, ao serviço do regionalismo.

E é assim que, em 1985, a aventura nasce, levada a cabo por dois radioamadores: O Dr. Joaquim Manuel da Fonseca, CT1 BRJ, antigo locutor da Rádio Altitude da Guarda e da ex-Emissora Oficial de Timor e o senhor Reinaldo Pedro Ramos Serra, CT1 BJS, técnico de electricidade. A pedido do Dr. Joaquim Fonseca, o senhor Reinaldo Serra constrói, com meios artesanais e rudimentares, um pequeno emissor de Frequência Modulada, que entra no ar em regime experimental, a 8 e 9 de Junho, já sob a designação emblemática de Rádio Clube de Monsanto. Daí até às emissões regulares foi um instante, estas têm início, precisamente, no dia 14 de Agosto de 1985, com o patrocínio da Casa do Povo de Monsanto.

A Rádio Clube de Monsanto constituiu-se, posteriormente, como Cooperativa, através de Escritura Pública, no Cartório Notarial de Penamacor, em 28 de Abril de 1987, com sede na freguesia de Monsanto, concelho de Idanha-a-Nova, e cujos Estatutos foram publicados em Diário da República, III Série, de 17 de Setembro de 1987.

Citando os seus Estatutos:

“ O objecto da RCM é criar e manter, nos termos da lei, uma estação emissora de radiodifusão em Monsanto, com características regionais”.

Como era habitual acontecer com as rádios locais, a RCM por essa altura não possuía alvará, o que a leva a silenciar os seus emissores à meia-noite do dia 24 de Dezembro de 1988, em cumprimento da lei. O regresso dá-se cerca de cinco meses depois e para grande alegria dos seus ouvintes, a RCM, já legalizada, volta a estar no ar, curiosamente, a 8 de Junho de 1989. É a partir desse momento que passa a transmitir em Frequência Modulada, nos 98.7 Mhz, Estéreo/RDS, com a licença 20231 e o indicativo CSB 652 e, desde o ano de 2000, também, nos 107.8 Mhz (nas Termas de Monfortinho).

Em 23 de Maio de 1996 a emissora é distinguida, pelo senhor Primeiro Ministro, com o Diploma de Instituição de Utilidade Pública.

A RCM começou por ser uma iniciativa de natureza cultural e sem fins lucrativos, funcionando como secção autónoma da Casa do Povo de Monsanto, com mais de uma centena de sócios, que lhe garantiram o apoio e motivação que levaram à sua criação, com o objectivo de preencher um espaço vazio nesta zona da Beira Interior , tão depauperada e esquecida e com uma história e cultura preciosas, abundando os vestígios dum passado de valor inestimável, havendo ainda por descobrir um considerável espólio secular.

Qualquer instituição que apareça com o objectivo de divulgar estes valores, de os manter bem vivos, de contribuir para o seu não esquecimento e desaparecimento, é digna que se lhes preste o incentivo necessário à sua existência.

É nesta situação que se encontra, também, a Rádio Clube de Monsanto, Sociedade Unipessoal, Limitada, desde 13 de Agosto de 2001, com Estatutos actualizados por escritura pública feita no Cartório Notarial de Idanha-a-Nova, em 28 de Maio de 2003. A RCM é, na verdade, uma emissora muito apreciada pela gente raiana que , com a maior prontidão e carinho adere, duma forma expontânea, a toda a iniciativa que contribua para manter bem viva a sua Rádio popular, porque é uma voz que fala dos seus problemas e da sua terra.

A RCM transmite, desde 1990, vinte e quatro horas ininterruptas por dia, sendo a sua programação, em termos gerais, caracterizada pela prioridade dada à música portuguesa e aos nossos valores tradicionais.

A RCM tem ainda apoiado os principais acontecimentos culturais, desportivos e sociais do concelho de Idanha-a-Nova e da região e os seus microfones têm também sido colocados à disposição de colectividades, instituições e autarquias para a divulgação dos seus eventos, reivindicações e projectos, sempre com independência, isenção e pluralismo.

A prioridade foi, desde a primeira hora, a salvaguarda e a promoção das potencialidades históricas, turísticas e naturais da Beira Baixa e particularmente do concelho de Idanha-a-Nova e das suas gentes raianas.

Ao longo dos anos, e, sempre com a quotização voluntária e generosa de muitos ouvintes, assistimos a um crescente melhoramento das actividades da RCM, com implantação de instalações próprias, novos estúdios de produção e centros emissores, computorização dos serviços fixos e de reportagem, novas antenas, etc.. Este progresso, como tudo, não seria possível sem bons e maus momentos, sem lutas e conquistas e, por isso, a RCM tem na sua história períodos de vida difícil, de algumas incompreensões, mas tem, também, tempos de muita alegria, caracterizadas por gratificantes amizades, cultivadas através da “caixinha mágica da música” .

Um grande estímulo foi a constatação que a RCM era líder distrital de audiência, comprovado por estudo, de âmbito nacional, de uma empresa da especialidade, a Marktest, encomendado pela Secretaria de Estado da Comunicação Social.

É neste âmbito, que surge o desejo de continuar e principalmente de fazer mais e melhor, apesar das carências humanas e financeiras. A caminhada não conhece, porém, aqui o seu fim. Antes pelo contrário, seguiu um novo rumo : Castelo Branco, ou não fosse a RCM uma instituição habituada a desafios.

O moderno e funcional Centro de Produção da Delegação de Castelo Branco, oficialmente inaugurado em 20 de Janeiro de 2005, conta com mais de uma vintena de colaboradores especializados, que são uma mais valia para os objectivos radiofónicos da emissora da “Aldeia Mais Portuguesa”, já há muito um caso de singular popularidade.

Hoje a RCM é sintonizada por milhares e milhares de amigos espalhados pela Beira Baixa, Beira Alta, Alto Alentejo e Estremadura Espanhola, e, no presente, também, por novos ouvintes dispersos pelos cinco continentes, que nos contactam graças às facilidades tecnológicas da Internet em  www.radiomonsanto.pt.  Esta nova e maravilhosa forma de comunicar e aproximar está a transformar o nosso planeta numa autêntica “aldeia global” !

Desde o ano de 2005 o sítio  www.radiomonsanto.pt   já foi visitado por mais de meio milhão de pessoas de todos os continentes.
Na sua recente e sofisticada versão o sítio mais português de Portugal irá receber, por certo, ainda um maior interesse da parte dos milhares de cibernautas espalhados por todos os cantos do mundo.

Nesta histórica aventura, a um ano de celebrar as "Bodas de Prata", mesmo contra alguns ventos e marés , o futuro é olhado com serenidade e confiança, porque a causa é justa e por ela vale a pena lutar...

A RCM deu uma grande prova: que os interesses e aspirações são sempre possíveis de associar à tradição e à cultura, sem esquecer a História, mas pugnando sempre por novas realizações, que contribuam para o progresso, esse progresso que torna a vida menos difícil e mais bela, nestas terras tão marginalizadas e esquecidas, deste interior profundo, onde, apesar de tudo, há ainda boa gente a querer viver e a resistir, para que jamais se percam a identidade e a História do Povo Português.

Para saber mais sobre a HISTÓRIA DA RCM

Veja "RECORTES DE JORNAIS" - nacionais e regionais  e “GALERIA DE FOTOS ” (1985-2009).

FESTIVAL GIACOMETTI

Facebook

Escrito por RCM em 2019-05-14 15:11:05

FESTIVAL GIACOMETTI

FESTIVAL DE HOMENAGEM A MICHEL GIACOMETTI EM FERREIRA DO ALENTEJO – 30 de Maio a 2 de Junho MÚSICA, GASTRONOMIA, ARTES & OFÍCIOS, DANÇA, ANTROPOLOGIA E CINEMA. Este evento anual, acolhe para si desafios culturais ao chamar um espectacular cartaz nacional e internacional de várias expressões contemporâneas, fazendo co-habitar tradição e atitude inovadora. O incontornável etno-musicólogo da salvaguarda da Cultura Popular Portuguesa, Michel Giacometti, oriundo da Córsega, deixou-nos um manancial de documentos fotográficos, sonoros e escritos, assim como uma extraordinária colecção de instrumentos musicais e objectos etnográficos, uma herança patrimonial determinante para o entendimento do contexto social, político e cultural do mundo português arcaico, infelizmente em desintegração.  Este homem tanto nos inspira e nos estimula na preservação da NOSSA TRADIÇÃO.   ………………………………………………………………   AS GUARDIÃS DA ARTE DE TOCAR ADUFE Dia 1 de Junho em Ferreira do Alentejo   Concerto pelas Adufeiras de Monsanto, numa interligação especial da artista Celina da Piedade, que toca também com dois grupos corais femininos de Ferreira do Alentejo e com o seu convidado especial Tim (vocalista dos Xutos e Pontapés), que invulgarmente vai tocar viola campaniça. O icónico Tim dos Xutos e Pontapés, diz estar encantado de se juntar às Adufeiras de Monsanto, tanto mais que vai ser um momento triunfal pois estarão dois grupos femininos de cante alentejano também em cima do palco.  O grupo das Adufeiras de Monsanto é reconhecido internacionalmente e faz jus às suas raízes nas tradições ancestrais da Aldeia Mais Portuguesa, uma terra rica em lendas ligadas aos rituais da Primavera.  Promovendo o extraordinário património cultural de Monsanto com os seus fatos coloridos, canções e ritmos do adufe, um instrumento feminino por excelência que trespassou contextos religiosos e teve a sua proliferação na Península Ibérica nos séculos XI e XII.  Na sua constituição actual, as Adufeiras de Monsanto, oferecem um autêntico privilégio para os que assistem às suas actuações. A não perder pelas 21:30 na PRAÇA COMENDADOR INFANTE PASSANHA EM FERREIRA DO ALENTEJO.

Ler mais

FESTIVAL DA FLORES EM ALDEIA DE SANTA MARGARIDA

Facebook

Escrito por RCM em 2019-05-05 14:12:17

FESTIVAL DA FLORES EM ALDEIA DE SANTA MARGARIDA

Ler mais

PÁGINAS DAS HISTÓRIA DA RÁDIO DA PORTUGALIDADE

Facebook

Escrito por RCM em 2019-05-02 19:32:20

PÁGINAS DAS HISTÓRIA DA RÁDIO DA PORTUGALIDADE

  Rádio Clube de Monsanto há 34 anos ao Serviço do Território da Idanha, no País e no Mundo. “O nosso passado é a nossa MEMÓRIA e o que a nossa MEMÓRIA não guarda nunca ocorreu ainda que tenha ocorrido”.

Ler mais

FESTA DA DIVINA SANTA CRUZ EM MONSANTO

Facebook

Escrito por CMIN em 2019-04-30 14:43:54

FESTA DA DIVINA SANTA CRUZ EM MONSANTO

Ler mais

CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE FERNANDO NAMORA

Facebook

Escrito por RCM em 2019-04-17 13:01:43

CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE FERNANDO NAMORA

NO CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE FERNANDO NAMORA UM TESTEMUNHO DE AFONSO ALMEIDA BRANDÃO     Na sua fase inicial de vida é sabido que ainda chegou a exercer Medicina cerca de um ano. Posteriormente, a sua veia de Escritor falou mais forte e acabaria por escrever vários Livros excepcionais que deixaria a Título Póstumo. Conheci o Fernando Namora nos inícios da Década de 80 Anos, da 2º Metade do Séc. XX.   Ele no Inverno refugiava-se na aldeia do Magoito (localidade a cerca de 10 Km. de Sintra), na Vivenda do dono da Editora das EDIÇÕES 70, para escrever. Chegava a ficar por lá 3 a 4 meses alojado. Vinha à Vila almoçar por volta das 15 horas (sempre no Café Lé) e, à noite, ficava por casa a ver TV, outras vezes a ouvir Música Clássica ou a escrever. Invariavelmente, bebia um Chá acompanhado de uma Torradas. Deitava-se, regra geral, entre as 3 e as 4 horas da madrugada.    Eu e o Eng. Eduardo Silva --- o dono das EDIÇÕES 70, à época --- cedia-lhe a sua Vivenda gratuitamente para ele escrever. Raro era o dia em que nós os três não estávamos juntos. EU vivia no Magoito com a minha ex-Mulher (e que por lá continua) e o Eduardo vinha de Lisboa ao Magoito, todos os dias, e ficava instalado na Residencial Central, do velho Nuro Gulamhussen, um comerciante de nacionalidade indiana, mas naturalizado português há muitos anos.      Estas estadias do Fernando Namora, no Inverno, na Aldeia do Magoito, foram frequentes ao longo de vários anos. A Amizade entre AMBOS (Escritor e Editor) era uma Amizade antiga de tempos de Escola e Meninice). Recordo, com saudade, estes encontros.Já lá vão quase 40 Anos, como o Tempo passa, Meu Deus!   Por vezes EU e o Eduardo íamos visitá-lo à noite. Do Centro da Aldeia e do Café onde estávamos, à casa onde se encontrava o Fernando Namora, eram 600 metros, mais coisa-menos coisa. Aparecíamos de surpresa e ele ficava feliz por nos ver.    Numa certa noite chegou mesmo a desabafar: «Ainda bem que vocês apareceram. Estou sem paciência para escrever, não sai nada de jeito... Vamos comemorar, ouvir música e conversar. A escrita fica para amanhã...». E os três acabávamos, assim, por entrar pela Noite dentro, ao som de música Clássica (na maioria das vezes, com trechos de Chopin), tendo como única companhia uma garrafa de Whisky.Velho -- 12 Anos, um pacote de Bolacha Maria e muita conversa animada e bem disposta.   Ambos já não estão entre nós, infelizmente.Tenho Saudades, imensas Saudades deles e daquele Tempo.  São tempos que não voltam mais... nunca mais... Ficaram "enterrados" no Passado...   Recordo-os, agora e hoje, com os olhos marejados de lágrimas, estes dois bons Amigos Nobres --- e que faziam o favor de me aturar e acolher nos seus convívios e serões inesquecíveis...   Paz à Vossa Alma e até um Dia!   Afonso Almeida Brandão

Ler mais

Mais Notícias

© Rádio Clube de Monsanto 2019 | 98.7 e 107.8 FM | CSB 652 / RDS

Amigos da RCM | Discos Pedidos | Programação | Contactos | Opiniões | Livro de Visitas | Compras On-Line